Mix mais açucareiro, impactos do petróleo. Confira avaliações de Plinio Nastari

13/03/2020
Imagem: Depositphotos
Imagem: Depositphotos

Plinio Nastari, presidente da consultoria Datagro, avalia que a safra 2020/21 de cana-de-açúcar terá mix maior para o açúcar e que o etanol sofrerá perda de competitividade.

A perda é consequência da queda do preço do petróleo.

Nastari fez as avaliações durante apresentação na quarta-feira (11/03), em Ribeirão Preto (SP), no evento Abertura de Safra.

O evento é promovido pelo Santander e pela Datagro.

JornalCana divulga as avaliações de Nastari:
 
Etanol e preço do petróleo
A queda do preço do petróleo e da gasolina deverá levar a uma perda de competitividade do etanol.

“Mas não dá, ainda, para definir de quanto será essa perda.”

Quando o petróleo cai 26%, o que ocorre com a gasolina?

Do ponto de vista de competitividade da gasolina na refinaria, ela não cai na mesma proporção porque o real se desvaloriza.

Nesse momento,  a gasolina na refinaria está 6,2% acima da paridade de importação. E qual tem sido a política da Petrobras?

Para controlar essa importação por agentes independentes, a Petrobras tem mantido a gasolina entre 9 a 10% abaixo da paridade.

Sendo assim, teria condição de reduzir em 15% o preço da gasolina.

Será que ela fará isso? Talvez espere abaixar a poeira.
 
Aumento da Cide
E mesmo que abaixe a paridade, há a opção do governo de compensar a redução do preço dos combustíveis com o aumento da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide-combustíveis).

No Brasil, faria todo sentido usar a Cide como regulador do mercado – é para isso que a Cide foi criada em 2001.

Mas essa é uma decisão do Governo.

Não temos elementos para fazer previsão precisa sobre o que ocorrerá com o valor da gasolina.
 
Mix açucareiro
A safra 20/21 terá mix maior para o açúcar.

O mercado pedirá mais açúcar, por conta, principalmente, da queda de produção na Índia e na Tailândia.

Hedge atual
Hedge atual permite R$ 1,3 mil por tonelada de açúcar.

“Não é ruim”, afirma.

Etanol: oferta
A oferta de etanol deve ser manter em 2020, por conta do etanol de milho.

Por sua vez, o Brasil retoma suas exportações de etanol, principalmente na Califórnia.

Nesse estado americano, a tonelada alcança US$ 213 por tonelada – contra US$ 10 a tonelada de CBIO.
 
Importação de biocombustível
Há dois anos, elas foram volumosas principalmente no primeiro e segundo trimestres do ano.

Em 2020 serão mais contidas.

A arbitragem para importação no porto de Suape está aberta dentro da cota tarifária e fechada fora dessa cota.

A importação deverá continuar na região Norte-Nordeste.

Estoque de passagem
Em 31/03, estoque de etanol deverá alcançar 1,25 bilhão de litros.
 
Ciclo Otto
O mercado de veículos de ciclo Otto deve crescer entre 2 e 2,5% em 2020, apesar do quadro atual de crise mundial.

Fonte: JornalCana, escrita por Delcy Mac Cruz

Imprimir

Indique a um amigo: