Indústrias de açúcar e etanol geraram 866 vagas de trabalho no Estado em meio a pandemia Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link: https://www.acritica.net/editorias/economia/industrias-de-acucar-e-etanol-geraram-866-v

06/10/2020

O setor sucroenergético de Mato Grosso do Sul abriu de janeiro a agosto deste ano, período que inclui a situação mundial de pandemia (Covid-19), 866 novos empregos. O saldo corresponde a 16% do total de vagas formais criadas pelo setor industrial, o maior empregador do Estado, conforme aponta o Radar Industrial da Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems).

Com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a produção de açúcar foi responsável pela contratação de 629 novos colaboradores, enquanto a fabricação de etanol abriu 237 oportunidades. Naviraí, Rio Brilhante, Fátima do Sul, Angélica, Nova Andradina foram os municípios com maior número de oportunidades consolidadas para atuação no setor sucroenergético.

Para o presidente da Biosul, Roberto Hollanda Filho, o saldo positivo de novos empregos em plena pandemia traz otimismo para o setor. “Nossas associadas trabalharam para uma rápida implantação dos seus protocolos de biossegurança, garantindo a preservação da saúde dos seus colaboradores e a continuidade das operações em segurança para todos. Com certeza foi um diferencial não só para a manutenção dos milhares de empregos, mas para a criação de novas oportunidades que já indicam um momento de recuperação para a indústria”, ressalta.

O setor sucroenergético é responsável por mais de 30 mil empregos diretos no Estado (Rais/CAGED/Biosul) com a oferta entre as melhores médias salariais tanto na indústria como na agricultura.

Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link: https://www.acritica.net/editorias/economia/industrias-de-acucar-e-etanol-geraram-866-vagas-de-trabalho-no-estado/480789/ - as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do jornal A Crítica de Campo Grande estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do jornal (redacao.acritica@gmail.com). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o jornal "A Crítica" faz na qualidade de seu jornalismo.

Fonte: www.acritica.net

Imprimir

Indique a um amigo: